Lista foi divulgada no início de novembro pela ANS e entra em vigor em 02 de janeiro de 2018 em todo o país

No mês em que é comemorado do Dia Nacional de Combate ao Câncer (27 de novembro), uma boa notícia para os pacientes em tratamento.

A Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS) ampliou a lista de procedimentos, entre exames, terapias e cirurgias, que terão cobertura obrigatória pelos convênios médicos.

São 18 novos procedimentos e sete já existentes que terão ampliação de cobertura, entre eles, medicamentos para tratar o câncer. A medida vale a partir de 02 de janeiro de 2018 para todo o país.

Na lista divulgada pela ANS para ampliação da cobertura estão incluídos oito medicamentos orais para tratamento dos cânceres de pulmão.

São eles: (afatinibe e crizotinibe), melanoma (dabrafenibe) e melanoma com mutação BRAF V600 (tramatinibe), próstata (enzalutamida), tumores neuroendócrinos (everolimo), mielofibrose (ruxoliyinibe) e leucemia (ibrutinibe).

Também foram incluídos novos procedimentos como tomografia computadorizada por emissão de pósitrons (PET-CT) para diagnóstico de tumores neuroendócrinos, exame para detecção de proteína que pode estar presente em pacientes com câncer de pulmão (ALK – pesquisa de mutação com DUT) e ressecção de tumor no ovário por laparoscopia (debulking), entre outros.

O diretor administrativo do Centro Oncológico Mogi das Cruzes, Alvaro Otávio Isaias Rodrigues, informa que todos os procedimentos e medicamentos incluídos na lista da ANS estarão disponíveis para os pacientes da clínica a partir da data estabelecida pela Agência. E destaca a importância da ampliação da cobertura dos medicamentos orais e a inclusão de novos procedimentos.

“É uma forma da ANS garantir aos pacientes que possuem plano de saúde um tratamento mais completo”, afirma.

A atualização da lista do Rol de Procedimento é realizada a cada dois anos, após análise do Comitê Permanente de Regulação da Atenção à Saúde (Cosaúde), formado por representantes do governo, do setor de saúde complementar e de órgãos de defesa do consumidor.

A multa para as operadoras de saúde que não incluírem esses procedimentos é de R$ 80 mil a cada infração cometida.

Dia Nacional de Combate ao Câncer

Criado em 1988, o Dia Nacional de Combate ao Câncer tem como objetivo ampliar a divulgação de informação de prevenção e tratamento da doença.

No Brasil, são diagnosticados por ano, aproximadamente 600 mil novos casos de câncer sendo o de pele não-melanoma o mais comum, seguido por próstata nos homens e mama nas mulheres.