Depois do câncer de pele, o tumor maligno mais recorrente nos homens é na próstata, representando 10% de todos os cânceres diagnosticados. Após o diagnóstico, algumas dúvidas que surgem, e é importante se informar tanto com informações disponíveis em sites médicos, como o oncologista responsável pelo caso. Abaixo, listamos 7 perguntas que normalmente surgem após o diagnóstico do câncer de próstata.

1- O câncer de próstata pode se disseminar para os outros órgãos?

Sim, é possível. Principalmente se for diagnosticado tardiamente, aumentando as chances de se disseminar. Por isso, o diagnóstico precoce é tão importante! Os órgãos normalmente atingidos são: osso, fígado, vesículas seminais e bexiga.

 

2- Quais são as chances de cura?

Assim como os outros tipos de câncer, as chances de cura do câncer de próstata dependem do estágio da doença no momento do diagnóstico. Ou seja, quanto mais cedo diagnosticado, maior a possibilidade de efetividade nos tratamentos realizados.

 

3- Quais são as opções de tratamento para o câncer de próstata?

Os recursos disponíveis para tratamento são: a cirurgia, radioterapia, terapia hormonal e quimioterapia. O médico irá prescrever os métodos mais adequados para cada paciente, podendo recomendar um ou mais tratamentos combinados.

 

4- O que é orquiectomia?

Com o objetivo de interromper a produção de testosterona, a orquiectomia é a remoção cirúrgica dos testículos. Apesar de ser um processo cirúrgico, é considerado uma forma de terapia hormonal.

 

5- O que é a prostatectomia radical?

A prostatectomia radical é a retirada de toda a próstata, além de alguns dos tecidos à sua volta. Estudos mostram que 70% dos pacientes tratados exclusivamente pela cirurgia radical não sofrem mais com a doença. A indicação para este método será feita também de acordo com critérios avaliados pelo médico.

 

6- A prostatectomia radical pode causar disfunção erétil?

Sim, há possibilidade de ocorrer disfunção erétil após a prostatectomia radical. Porém, a taxa de manutenção da função erétil é maior em homens com menos de 65 anos e, fatores como diabetes, hipertensão e tabagismo, interferem na disfunção pós-cirúrgica.

 

7- Quais são os efeitos colaterais da quimioterapia?

O tratamento com quimioterapia pode ocasionar em alguns efeitos colaterais, tais como:

  • Alopecia (perda de cabelo).
  • Inflamações na boca.
  • Perda de apetite.
  • Náuseas e vômitos.
  • Infecções, devido a diminuição dos glóbulos brancos.
  • Hemorragias ou hematomas, devido a diminuição das plaquetas.
  • Fadiga, devido a diminuição dos glóbulos vermelhos.

 

É importante comunicar ao seu médico caso apareça qualquer efeito colateral e redobrar os cuidados com a saúde. Clique aqui para conferir algumas dicas de como evitar os enjoos após quimioterapia.